Subsídios Técnicos e Mobilização Social para o Plano de Ordenamento Turístico da Ilha da Queimada Grande

Pesquisas para subsidiar a gestão compartilhada.

ICONES_RGB-02.png
ICONES_RGB-04.png

ÁREAS MARINHAS
PROTEGIDAS

NEGÓCIOS ASSOCIADOS À CONSERVAÇÃO

Período

setembro de 2019 a março de 2021.

Localização

Itanhaém (SP).

Parceiros

FapUNIFESP, Laboratório de Ecologia e Conservação Marinha da Universidade Federal de São Paulo – LABECMAR/UNIFESP

A Ilha da Queimada Grande, em Itanhaém, abriga uma rica biodiversidade marinha, além de habitats únicos, como o recife de coral mais ao sul do Atlântico e seu banco de rodolitos associado.

 

As atividades turísticas praticadas na região são relativamente bem conhecidas, porém ainda se sabe muito pouco sobre os impactos desse tipo de prática na vida local.

 

Entretanto, as coisas começaram a mudar com a divulgação científica da descoberta do recife, que coincidiu com o processo de elaboração do Plano de Manejo da APA Marinha do Litoral Centro do Estado de SP.

 

Assim, após quase duas décadas da proposta de criação de um Parque Nacional Marinho para a região, os esforços para a conservação da Ilha da Queimada Grande voltaram à pauta através da articulação da APA Marinha para iniciar um processo de ordenamento do seu uso público.

 

Foi neste cenário que o Instituto Linha D’Água iniciou sua atuação neste território, em parceria com os institutos de pesquisa locais para apoiar um projeto que busca oferecer subsídios técnicos e mobilizar os atores locais na construção de um plano de ordenamento turístico para a região, buscando um uso sustentável e equilibrado, visando conservar a diversidade da vida no local.